terça-feira, 22 de novembro de 2016

Estreia do navio Sovereign em Lisboa

Estreou-se hoje em Lisboa, com procedência de Palma de Maiorca o navio Sovereign. O navio da Pullmantur efectuou o desembarque de 200 passageiros e efectuou o embarque de 600 com destino ao Brasil, numa travessia transatlântica directa ao porto de Recife. A mais alta patente a bordo do Sovereign, navio de 1987 ex-Sovereign of the Seas é de nacionalidade Portuguesa. O navio tem partida agendada para as 21 h.

domingo, 6 de novembro de 2016

Blu com destino à Madeira e Canárias

O AIDAblu está hoje e amanhã em Lisboa, numa escala que tem vindo a tornar-se habitual na viagem de regresso ou ida para o posicionamento nas ilhas Canárias e Madeira dos navios da companhia Alemã, AIDA. É o caso desta escala inserida na viagem posicional do AIDAblu que de agora e até ao próximo mês de Maio fará escalas regulares nas ilhas Canárias e Madeira no Inverno Europeu, tal como tem acontecido nos últimos anos. No porto do Funchal as escalas serão semanais ao exemplo do que tem acontecido nos últimos anos. Partirá amanhã pelas 16 h de Lisboa, com destino à Pérola do Atlântico, ilha da Madeira, pois claro.

sábado, 5 de novembro de 2016

Encontro de gigantes

Reuniram-se ontem ao final da tarde, os três maiores navios do Mundo. Os navios da classe Oasis, pertencentes à Royal Caribbean International, reuniram-se no mar, ao largo da Flórida. Esta primeira e possivelmente única reunião destes três navios, assinalou a chegada do Harmony of the Seas (o maior navio do mundo actualmente, que apesar de pertencer à mesma classe que os dois navios irmãos, o Oasis of the Seas e o Allure of the Seas, é ligeiramente maior 2 m em comprimento que estes e pesa um pouco mais 1700 GT), a Port Everglades, em Fort Lauderdale, o seu futuro porto base. Isto depois de ter feito alguns cruzeiros com saída de Southampton para o Norte da Europa e algumas viagens no Mediterrâneo. Em Portugal apenas entrou no porto do Funchal, sem contudo ter atracado. Essa arribada deveu-se a um desembarque por emergência médica na viagem que o levou da Europa à América.

Fotos: Royal Caribbean International

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Club Med 2 e Clio

O navio Club Med 2, o irmão gémeo do Wind Surf está em Lisboa numa escala prolongada, devendo apenas sair no último minuto do dia de amanhã. 

Wind Surf (ex-Club Med 1), o gémeo do Club Med 2, que agora opera na Wind Star Cruises. 
Fotografamos este navio Francês, que daqui sairá com destino ao Funchal na sua travessia transatlântica de fuga ao Inverno Europeu. Comparando-o com o seu irmão Wind Surf (1989), o Club Med 2 (1992) apesar de ser mais novo encontra-se exteriormente mais mal tratado, do que o navio da WindStar Cruises. Depois de atravessar do Atlântico ficará a operar na ilha Francesa de Martinica com saídas do porto de Fort de France.
De saída de Lisboa pelas 17 h, em início de uma nova viagem fotografamos também o Clio, com destino a Portimão.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Os veleiros

Hoje registamos o rebocador Baía do Seixal na sua rotina no rio Tejo. Podemos vê-lo nas fotos a empurrar o batelão Socarsines transportando-o até ao navio Kenan, que continua a carregar clínquer para exportação no Mar da Palha.


A par destes navios registamos também a escala dos dois navios de cruzeiros, veleiros por Lisboa hoje. O Wind Surf da WindStar Cruises e o Royal Clipper da Star Clippers. Ambos sairão de Lisboa ao final do dia de hoje. O Royal Clipper sairá uma hora mais tarde do que o Wind Surf. Tem como destino Casablanca. Já o Wind Surf que sai pelas 21 h tem como destino um porto mais próximo, Cádiz. Ainda para o dia de hoje é esperado um navio semelhante ao Wind Surf, o seu irmão gémeo, Club Med 2, que deverá chegar do porto Francês de Brest pelas 21 horas e 30 minutos, passando cá a noite tal como aconteceu com o Wind Surf ontem. O Club Med 2 no entanto só deverá sair no Domingo para o Funchal.

Sejas Feliz

O bote de Fragata Sejas Feliz, realizando um dos seus passeios no rio Tejo. Poderá viajar nesta embarcação típica do rio Tejo adquirindo o bilhete junto da empresa que o opera, a empresa Nosso Tejo. Nota: Não recebemos qualquer tipo de incentivo para a escrita deste artigo, por parte desta empresa.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Rebocadores

Cada vez os vemos menos junto aos navios de cruzeiros, contudo são uma ajuda bastante grande e em alguns casos mesmo necessária quando se trata de navios cargueiros. 
Mostramos hoje o Tsavliris Hellas, um rebocador Grego que se encontra em Lisboa em manutenção no estaleiro NavalRocha.
O Tsavliris Hellas, faz parte da frota do armador Grego de salvamento sarítimo Tsavliris Salvage. Normalmente encontra-se posicionado no porto de Ponta Delgada, Açores para acorrer a situações de salvamento marítimo a meio do oceano Atlântico.
E o novo rebocador que opera no porto de Lisboa o rebocador costeiro, Baía do Seixal com registo neste porto. O Baía do Seixal, propriedade do grupo de tráfego e estiva (ETE), é um rebocador concebido para o transporte das batelões. Normalmente este tipo de embarcações, serve para efectuar a carga e descarga de navios no meio do rio Tejo, onde são regularmente observados por todos aqueles que se deslocam pela margem do rio, próximo da baixa de Lisboa.

O Baía do Seixal foi construído na NavalTagus, Seixal. Representa um investimento de cerca de 2 milhões de euros por parte desta empresa. Como características técnicas o Baía do Seixal é um rebocador com 2,38 m de calado, 16,5 m de comprimento e como está vocacionado para empurrar os batelões, tem 8,8 m de largura. Esta largura permite-lhe também operar no rio Douro, com a passagem pelas eclusas desse rio garantida pela largura. O Baía do Seixal tem uma ponte basculante que se eleva até 2 m de altura e que foi muito bem disfarçada na construção. Pode também transportar os batelões a reboque com uma força de tração instalada no gato à popa, de 16 toneladas. Este rebocador é uma construção nacional, vocacionada para operar no porto de Lisboa e rio Douro. Veio substituir o Triton rebocador com características semelhantes que operava em Lisboa nesta mesma empresa, mas que "emigrou" para a Colômbia. 

A discreta estreia do Le Lyrial

Estreou-se hoje em Lisboa com uma curta escala o navio Le Lyrial da companhia Francesa Ponant. O navio com 142 m e de 2015, é o mais recente de uma classe de navios composta por quatro navios. Esta classe teve início em 2010 com o lançamento do Le Boreal. Seguiu-se o L'Austral em 2011 e o Le Soleal em 2013. Os próximos navios da Ponant entretanto já encomendados farão parte de uma nova classe de navios.

O Tejo, por vezes faz alguns navios sentirem-se pequeninos.
O Le Lyrial foi construído nos estaleiros Italianos Fincantieri, em Ancona. Tem 11000 toneladas, 18 m de boca, capacidade para receber 244 passageiros em ocupação normal e 264 em ocupação máxima. Opera com 139 tripulantes, sob a bandeira Francesa e com uma velocidade de serviço de 16 nós. 

Este navio foi concebido para oferecer uma qualidade superior aos seus passageiros, daí que tenha capacidade para receber poucos passageiros e por ser pequeno consegue explora destinos mais remotos onde a oferta ainda é pequena, e onde a companhia terá lucros caso consiga explorar um desses destinos com uma boa ocupação do navio.
O Le Lyrial chegando a Portimão. Foto de Rui Agostinho
Na segunda-feira o Le Lyrial havia estreado-se em Portimão, de onde foi proveniente nesta escala. Daqui partiu, pouco depois das 12 h, com destino a Santa Cruz de Tenerife.
Além do Le Lyrial em porto esteve também o Ventura, tendo saído pelas 16 h com destino a Cádiz em mais uma viagem com partida e chegada a Southampton, que leva os seus passageiros até Valência e regresso com passagem por Ibiza.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Navigator of the Seas

O último dia de Outubro do terminal de cruzeiros da Lisbon Cruise Terminals, termina com a escala do navio Navigator of the Seas e com o terminal de passageiros a ganhar parte da cobertura. O Navigator of the Seas, navio da classe Voyager, sairá de Lisboa pelas 21 h com destino a Agadir, Marrocos onde chegará no próximo dia 2 de Novembro depois de amanhã ter um dia completo de navegação. 

O navio encontra-se a realizar um cruzeiro com partida e chegada a Southampton, com um itinerário ligeiramente diferente ao dos navios da P&O Cruises, mas que contempla também escalas em Espanha e Portugal continental e insular (Canárias e Madeira). Esta viagem termina em Southampton no próximo dia 10 de Novembro e daí o navio parte para as Caraíbas onde ficará posicionado até Abril de 2017, altura em que regressa à Europa numa viagem que terá escala em Lisboa a 7 de Maio que é a sua próxima escala cá.
Indiferente ao movimento de passageiros do Navigator of the Seas, estava pela tarde de hoje o Kenan, navio de carga geral que estava a carregar fundeado no Mar da Palha. Daqui partirá com destino à Mauritânia, ajudando assim as empresas Portuguesas no seu volume de exportações.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

O "último" navio da White Star Line

Embora não tenha sido o último navio da frota da White Star Line, o SS Nomadic é o único navio da famosa companhia proprietária do navio RMS Titanic, que conseguiu chegar até aos nossos dias. O SS Nomadic tem 105 anos.
Aspecto geral da doca Hamilton, no quarteirão Titanic
Tem exactamente um quarto do tamanho do Titanic e é conhecido como o mini Titanic, por ter sido construído com um design semelhante ao mais famoso navio de todos os tempos. 
O SS Nomadic é actualmente um navio museu. Encontra-se desde Agosto de 2009 na doca seca Hamilton do porto de Belfast, no quarteirão Titanic, Irlanda do Norte. Na mesma doca à proa do SS Nomadic está ainda em fase de restauro o "Caisson Gate", um outro tipo de navio auxiliar que servia para ajudar nas manobras de entrada e saída em doca seca, de navios. É pouco mais do que um objecto flutuante que era capaz de se submergir, sendo o mais antigo navio existente, construído pelo estaleiro naval Harland & Wolff, que ainda hoje mantém um grande prestígio na indústria pesada de construção naval.
O navio SS Nomadic é também ainda conhecido como o único parente vivo do Titanic. Uma vez que foi encomendado pela White Star Line a 22 de Dezembro de 1910 aos estaleiros Harland & Wolff, para servir de navio de transbordo de passageiros para os navios RMS Titanic e RMS Olympic no porto Francês de Cherbourg, que à data não tinha condições para que ali atracassem navios grandes como o RMS Titanic e o seu irmão gémeo RMS Olympic. 
O SS Nomadic recebeu o número de estaleiro, 422 e a 27 de Maio de 1911 foi entregue à White Star Line.
No mesmo dia em que o Titanic era lançado à água, 31 de Maio de 1911, o SS Nomadic deixava Belfast juntamente com o RMS Olympic, o irmão gémeo do Titanic. Chegou ao porto Francês a 3 de Julho de 1911 e começou a operar, servindo no transbordo de passageiros, correio e mercadorias aos navios maiores. A 10 de Abril de 1912 transportou 172 passageiros para bordo do RMS Titanic que efectuava então a sua viagem inaugural. 
Foi requisitado pelo governo Francês como navio de transporte de tropas em 1917 (na Primeira Guerra Mundial 1914-1918) tendo regressado ao serviço em 1919.
Em 1945, depois de ter sido requisitado pelo governo Britânico para efectuar serviços na Segunda Guerra Mundial, foi salvo da sucata pela empresa Societe Cherbourgeoise de Remorquage, que o operava com o nome Ingenieur Minard, depois de ter sido vendido pela White Star Line em 1934, um ano depois do porto de Cherbourg ter inaugurado um cais de águas profundas que lhe permitia receber navios de grande porte sem precisar de navios auxiliares para transbordo de passageiros. Navegou até 4 de Novembro de 1968 e serviu no porto de Cherbourg, navios tão emblemáticos como o Caronia, RMS Queen Mary e o RMS Queen Elizabeth. Transportou passageiros ilustres como Benjamim Guggenheim, Marie Curie, Charles Chaplin, entre outros.
Em 1969 foi comprado por Roland Spinnewyn um empresário Francês com a intenção de o transformar num restaurante flutuante. Em 1974 este empresário na impossibilidade de realizar a sua ideia, vendeu-o a outro empresário, Yvon Vincent que então o transformou num restaurante nas margens do Rio Sena, em Paris, onde esteve durante 22 anos; desde 1977 até 1999. 
Em 1999 a inspecção anual em doca seca ditou o seu fecho como restaurante devido ao mau estado do casco e riscos de segurança e saúde. A 17 de Setembro de 2002 começaram os trabalhos de corte da sua superstrutura de forma a garantir a passagem pelas pontes do rio Sena, de onde seguiu a reboque para o porto de Le Havre a 1 de Abril de 2003. Aí permaneceu, tendo ido a doca seca entre Janeiro e Fevereiro de 2004, até que a 26 de Janeiro de 2006 foi comprado pelo Departamento de Desenvolvimento Social por 250001€. Saiu do porto de Le Havre às sete horas de 12 de Julho de 2006 e chegou a Belfast a 15 de Julho de 2006, 95 anos depois dali ter partido.
Em Agosto de 2008 foi reconhecido como navio histórico e inscrito no registo nacional de navios históricos do Reino Unido. Voltou ao estaleiro onde foi construído, onde teve obras de restauro que o deixaram com o aspecto original e o qual ostenta actualmente.
Este navio tem como características principais, 67 m de comprimento, 2,4 m de calado, 1273 toneladas. Navegava a  22 nós com uma hélice de 2,13 m de diâmetro. Operava com 14 tripulantes tendo capacidade para transportar 1000 passageiros. Mantém o registo do porto Francês de Cherbourg, e ainda ostenta a bandeira Francesa. Conhecer o SS Nomadic é regressar ao passado onde é possível admirar uma ponte de comando totalmente aberta, tombadilhos de madeira e a tão característica chaminé amarela com extremidade preta, da White Star Line, presa por quatro cabos, que faz logo lembrar as quatro chaminés idênticas do RMS Titanic.
O SS Nomadic encontra-se ao lado do recente edifício museu dedicado ao navio Titanic, ao fundo na foto.
Caso tenha interesse em visitar ou conhecer melhor o SS Nomadic pode visitar o site do navio AQUI.

Star Pride e Marco Polo


Dois cruzeiros, o Marco Polo e o cruzeiro da Igreja de Santo Estevão, no miradouro com o mesmo nome.
Dois navios pequenos mas de uma beleza extrema, foram as visitas ao porto de Lisboa do dia de hoje. O Star Pride, ex-Seabourn Pride saiu pelas 17h com destino ao outro lado do Atlântico em busca do Verão. Já o Marco Polo sairá pelas 18 h com destino ao porto Inglês de Bristol.


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A Maravilha da Disney

Estreou-se hoje em Lisboa o navio de cruzeiros, dedicado às crianças, Disney Wonder. Chegou debaixo de chuva intensa quando apenas alguns shipspotters o esperavam, a par das gaivotas em terra. Esta escala técnica que assinala a primeira vez deste navio de 1999 em Lisboa, esta inserida na viagem desde o estaleiro em Cádiz, de onde é precedente até ao continente Americano onde costuma operar na zona das Caraíbas. Nesta viagem leva consigo uma cauda de pato, acrescentada no estaleiro de Cádiz que lhe confere maior estabilidade em navegação. A pintura também é nova tendo sido efectuada de novo no estaleiro Navantia.
 O navio atracou no cais avançado de Alcântara, mesmo junto à ponte 25 de Abril. Caso tenha algumas dúvidas de já ter visto este navio em Lisboa mais do que uma vez, é normal, pois ele é gémeo do Disney Magic, que por cá já passou algumas vezes em viagens de cruzeiro.
A Disney Cruise Lines, opera com 4 navios tendo apenas dois visitado Lisboa. O Disney Magic que costuma cá efectuar escalas com passageiros e hoje o Disney Wonder em escala técnica. Esta escala do Disney Wonder chegou a estar programada para o porto do Funchal, contudo o navio acabou por sair de Cádiz já com destino a Lisboa, tendo cancelado a passagem pelo porto da ilha da Madeira. Daqui está prevista a sua saída amanhã pela manhã, para Fort Lauderdale, Flórida.
Além do Disney Wonder, em Lisboa hoje estiveram mais 4 navios de cruzeiros. Os irmãos Ventura e Azura, o Bremen e o Seven Seas Navigator que atrasou a sua saída para o dia de hoje, por volta da hora de almoço.